Teatro Nacional, espaço de contrastes

arte e cultura
Teatro Nacional, espaço de contrastes

Batizado Cláudio Santoro em homenagem ao grande compositor, o Teatro Nacional, em constante reforma, desfruta de impressionantes jardins internos criados por Roberto Burle Marx.

Batizado Cláudio Santoro em homenagem ao grande compositor, o Teatro Nacional, em constante evolução, desfruta de impressionantes jardins internos criados por Roberto Burle Marx. Projetado por Oscar Niemeyer em 1958, o maior complexo arquitetônico destinado às artes em Brasília somente foi aberto ao público em definitivo no ano de 1981. Seu formato piramidal irregular sem ponta é típico da arquitetura asteca. Com 46 metros de altura, a pirâmide de cimento foi recoberta por 3 608 painéis de vidro em suas fachadas leste e oeste.

Em torno do prédio, o jardim desenhado por Roberto Burle Marx é uma referência à vegetação mexicana, fazendo uso de espécies próprias a meios áridos, como velozias, yuccas e agaves. Os jardins internos, no grande foyer como no mezanino, foram concebidos pelo mesmo paisagista.

Sob o teto em vidro transparente, se misturam vegetação exuberante e arte de Marianne Peretti e Alfredo Ceschiatti, dando origem ao impressionante contraste com o exterior que é a principal característica do prédio. O tratamento acústico das três salas de espetáculo ficou a cargo do expert russo Igor Sresnewski.

Teatro Nacional Cláudio Santoro
Setor Cultural Norte
Via N 2
Brasília 70070-200

Fone: +55 (0)61 3325 6239

www.cultura.df.gov.br/nossa-cultura/teatro-nacional